Siga-nos ou curta nossa página 🙂
Nosso editor bate um papo com o preparador físico João Renato, que viajou ao Peru para trabalhar ao lado de uma equipe multidisciplinar em um trabalho revolucionário junto aos atletas no Pan-Americano de Surfe e SUP

João Renato (à esq.) ao lado do longboarder Phil Rajzman, que integra a equipe brasileira em Lima. Foto: AP

Os atletas de surfe e stand up paddle que estão representando o Brasil nos Jogos Pan-Americanos de Surfe e SUP, que acontece em Punta Rocas, Lima, Peru, estão vivenciando o que podemos chamar de um novo capítulo na  história da preparação física em competições.
Os atletas viajaram a Lima com as despesas pagas e estão recebendo um acompanhamento físico diferenciado ao longo do torneio através de uma equipe multidisciplinar.
Esse aparato faz parte do trabalho direcionado à preparação dos atletas de surfe aos jogos olímpicos via CBSurf, que agora recebe ajuda governamental via COB (Comitê Olímpico do Brasil).
No caso deste Pan-Americano, houve uma articulação muito bem feita entre CBSurf e CBSUP, capitaneadas por José Augusto e Ivan Floater, para que os atletas de SUP da equipe brasileira também recebessem a mesma atenção dispensada ao surfe, uma vez que a seleção nacional vencedora do torneio será aquela que obtiver a maior somatória de pontos em todas as modalidades.
O trabalho envolve, além da preparação física, entrevistas, mapeamento genético e avaliações biológicas.
Para saber mais sobre isso, nosso editor bateu um papo com o educador físico e diretor técnico da CBSUP, João Renato, que viajou ao Peru para trabalhar ao lado da equipe multidisciplinar envolvida na preparação física dos atletas. Confira.

Luiz Guida “Animal” durante o procedimento conhecido como ‘Game Ready’, uma bota de compressão utilizada para o pós-treino. Foto: João Renato

Como está esse início de Pan-Americano?

O campeonato começou com boas ondas em Punta Rocas e a nossa equipe está bem motivada. Infelizmente tivemos algumas baixas no surfe feminino no primeiro dia de disputas, mas ontem conseguimos avançar em todas as disputas de SUP e Longboard.

Qual o seu papel junto à equipe brasileira?

Estou aqui para oferecer todo um suporte de preparação física, pré e pós-bateria. Ou seja, orientamos o aquecimento de nossos atletas antes deles entrarem na água e também fazemos um papel de ‘recovery’, que é um trabalho de recuperação para o dia anterior.

Quantos profissionais estão envolvidos nesse trabalho?

Temos três profissionais envolvidos: dois médicos (Dr Angelo Tadaioshi e Dr. Fraz Burini) e eu como preparador físico.

Após uma extenuante viagem via China, Jessika Moah recebe os cuidados de João Renato. Foto: AP

Poderia explicar de se trata o mapeamento genético que vocês estão aplicando nos atletas?

Esse trabalho possibilita identificar riscos de lesão através de marcadores. Então conseguimos prever uma lesão que poderá ocorrer e dessa forma colocar o atleta em repouso. O mapeamento também permite avaliar os valores nutricionais de cada atleta em termos de minerais, quantidades de carboidratos, proteínas, etc. Todas essas informações estão sendo catalogadas em um banco de dados para serem usadas nas futuras competições.  

Esse trabalho também está sendo feito com os atletas de SUP?

Sim. Todos os atletas da nossa equipe estão passando pelo mesmo procedimento.

Quais são os procedimentos que vocês estão usando na preparação dos atletas?

A gente realiza uma anamnese (entrevista inicial para um diagnóstico) com cada atleta, em seguida analisamos os sinais vitais como oxigenação do sangue, frequência cardíaca, pressão arterial, biomecânica e também a parte de ‘recovery’ através do ‘Game Ready’

O que seria o ‘Game Ready’?

Trata-se de uma bota que realiza compressões pneumáticas junto com a crioterapia (processo terapêutico baseado em aplicações de gelo, neve carbônica e outros veículos de frio intenso) que ajudam a reduzir o número de inflamações da musculatura.

Mande uma mensagem para a torcida brasileira!

Torçam por nossos atletas! Independente da modalidade, a equipe brasileira tem tudo para conquistar um bom resultado e classificar atletas para os Jogos Pan-Americanos de Lima no ano que vem.  Forte abraço galera!

MATÉRIAS RELACIONADAS

Brazucas mostram sua força em Punta Rocas

SUP Wave faz sua estreia nesta quarta

Pan-Americano tem início com boas ondas

Desfile das Nações abre o Pan-Americano

Brazucas desembarcam em Lima

PASA 2018 | Confira a programação

Entrevista com Karin Sierralta, presidente da PASA

Siga-nos ou curta nossa página 🙂

Related Post