bbw brunette reveals her tits. tamil xxx
sex videos

O real significado do Molokabra para o prone paddleboard

Mesmo não sendo a prova com o maior número de inscritos da história do prone paddleboard brasileiro, o Molokabra deixa um legado importantíssimo
Molokabra Prone Paddleboard
Ventos favoráveis: remadores de diversos estados competiram em Fortaleza. Foto: Reprodução

Mesmo não sendo a prova com o maior número de inscritos da história do prone paddleboard brasileiro, o Molokabra deixa um legado importante para a modalidade

O paddleboard brasileiro vive um momento muito importante após a realização do Molokabra 2020.

Não pelo número de participantes inscritos (17 no total) que, apesar de expressivo para a realidade do prone, não foi a competição nacional com mais atletas.

Na verdade, o Molokabra está atrás de competições no passado, como o Festival Floripa Surf Lifesaving, em 2016, que reuniu 36 remadores na Praia Mole de Florianópolis (SC), inclusive com a participação do nosso colunista Patrick Winkler, ou o pioneiro Festival da Remada, em Santos, em 2008, com mais de 20 remadores disputando a raia da praia da Aparecida.

Há também competições tradicionais, como o Aloha Spirit Festival, que já registrou números semelhantes de participantes, geralmente com 15 inscritos na categoria, nos anos em que o prone paddleboard foi incluído ao evento.

Além disso, as provas de Triatlo Water Man, que incluem o prone paddleboard entre as categorias, colocam sempre mais de dez pessoas na água.

Mas, então, o que muda para o prone paddleboard brasileiro após o Molokabra 2020?

Núcleos isolados

remadores de Prone Paddleboard em Santos
Adriano Teco, Marcello Árias, e Fernando Rhein participam de remada, em Santos, em 2003. Foto: Reprodução

Se olharmos por uma perspectiva histórica, o esporte se desenvolveu isoladamente, em determinadas regiões do país.

No início dos anos 2000, um grupo de surfistas em Santos (SP) criou uma das primeiras comunidades dessa modalidade de que se tem notícia.

Eles passaram a promover desafios de remada, como a Volta a Ilha de São Vicente, em 2003, que muito contribuíram para atrair cada vez mais adeptos à modalidade.

Por uma dessas causalidades que impulsionam movimentos para frente, nessa mesma época, o ciclista norte-americano Johnathan Goldberg, conhecido como Johnny G, que é ninguém menos do que o inventor do Spinning, passou uma temporada no Brasil, morando alguns meses no Guarujá (SP).

Johnny G usava o prone paddleboard como complemento aos treinos de Spinnig e estava à procura de uma prancha para remar em águas brasileiras.

Então ele contatou Adriano Teco, da Silver Surf, para encomendar um paddleboard. Contudo, a partir desse encontro, Teco teve acesso a muitas informações sobre a construção de pranchas de prone até então desconhecidas por aqui.

festival da Remada em Santos (2008)
Largada do Festival da Remada em Santos, em 2008. Foto: Rodrigo de Deus

A partir desse encontro, a modalidade ganhou novo impulso chegando a outras praias do litoral paulista e também subindo a Serra, quando Ricardo Allmada deu início ao uso do paddleboard como ferramenta de treinamento a pessoas com deficiência em um projeto muito bem-sucedido que existe até hoje na Billings.

Enquanto isso, a centenas de quilômetros de distância, na Bahia, um núcleo forte de paddleboard se formava comandado pelo legend Maurício Abubakir.

Esse grupo cresceu e relevou o grande nome da modalidade até os dias atuais: Sinara Pazos.

Mais do que isso, em Salvador, o prone paddleboard floresceu atraindo um grande número de praticantes dedicados à modalidade.

Contudo, assim como ocorrera no litoral paulista, foi um fenômeno isolado.

Floripa Surf Life Saving
Competições de Surf Life Saving em Florianópolis (SC) reúnem um grande número de competidores no prone paddleboard. Foto: Reprodução

Da mesma forma, os guarda-vidas de Santa Catarina, através de intercâmbios com os clubes de Surf Life Saving australianos, introduziram as pranchas de paddleboard em diversos postos de salvamento do estado e passaram a realizar competições da modalidade.

Os campeonatos catarinenses de Surf Life Saving costumam reunir muitos participantes, geralmente surfistas e bombeiros, mas, ainda assim, não conseguiram romper a barreira regional, salvo raras exceções, como no caso de nosso colunista Patrick Winkler, que em 2016 participou de um desses eventos.

Patrick Winkler mundial da isa
Patrick Winkler (SP), o embaixador do prone paddleboard brasileiro. Foto: Aline Adisaka

O próprio Patrick, que sem dúvida é um dos maiores embaixadores brasileiros desse esporte, conheceu o prone paddleboard na Austrália, nos anos 1990, mas só tomou conhecimento desses movimentos poucos anos atrás.

O boom do stand up paddle e o crescimento do prone

Sinara Pazos remando de paddleboard durante o mundial da ISA de 2019
Sinara Pazos (BA) durante o Mundial da ISA de 2019. Foto: Ben Reed / ISA

Mas, então, o que aconteceu?

É difícil fazer uma afirmação de forma assertiva, contudo, um panorama geral da evolução dos water sports no Brasil a partir dos anos 2000 pode nos dar algumas pistas.

Em 2008, o Festival da Remada em Santos colocou mais de 20 pessoas para remar de forma pronada na água, todavia, esse mesmo evento realizou a primeira prova brasileira de uma modalidade que já era febre no Havaí: o stand up paddle.

Prone paddleboard na Molokabra 2020
Mestre Maurício Abubakir (BA) e a fera Nando Grillo (SC). Foto: Arquivo pessoal

Pouco tempo depois, o SUP explodiu por aqui. Pelo menos em Santos, onde fui testemunha ocular da chegada desse esporte, vi muita gente que estava remando de Prone, migrar para o SUP.

Mesmo na Bahia, onde a modalidade fincou suas raízes mais fortes, nomes como Babi Brazil, então uma praticante assídua de paddleboard, migrou para o SUP race, colocando seu nome na história do esporte com cinco títulos nacionais.

Ricardo Allmada (à esq.) ao lado de sua equipe de parapaddle. O paddleboard é uma ferramenta extraordinária de inclusão. Foto: Dani Allmada

É de se presumir, portanto, que o prone paddleboard perdeu gás no momento em que estava prestes a decolar.

Felizmente, personagens centrais na evolução desse esporte continuaram levando a bandeira do paddle adiante, entre os quais destaco: Maurício Abubakir, Sinara Pazos, Patrick Winkler e Ricardo Allmada.

O trabalho dessa galera foi fundamental para manter a chama acessa enquanto o esporte, ainda em uma velocidade mais lenta, continuou a crescer no Brasil.

É nesse momento que chegamos ao Molokabra 2020.

O real significado do Molokabra 2020 para o prone paddleboard

Prone Paddleboard no Molokabra
Carlo Coutinho (CE) e Rogerio Melo (SP). Foto: Arquivo pessoal

Como vimos, o Molokabra não foi a maior prova da história do prone paddleboard brasileiro, mas denota um aspecto muito mais importante.

Pela primeira vez, tivemos uma disputa realmente nacional da modalidade com um número expressivo de competidores vindos de várias partes do Brasil.

Isso significa que, naturalmente e sem a atuação de uma organização própria, a modalidade retomou uma forma de crescimento mais robusta e está prestes a alçar voos mais altos.

O próximo passo deverá ser institucionalizar o prone paddleboard brasileiro com a criação de uma federação nacional.

Certamente é um passo importante e deve ser tomado com muito cuidado pois a política, como sabemos, pode ser extremamente nefasta.

Outro ponto é a promoção do esporte através da criação de eventos próprios, o que normalmente se dá por meio de patrocínios de empresas do segmento e/ou do setor público.

Como o mercado do prone paddleboard é ainda muito pequeno, a institucionalização do esporte através de uma federação própria muito ajudaria na legitimação da captação de recursos para a criação desses eventos.

Enfim, são passos importantes que, mais cedo ou mais tarde, serão necessários para que o prone paddleboard brasileiro possa alçar voos mais altos ainda.

Afinal, o sucesso da modalidade no Molokabra 2020 mostrou que os ventos estão soprando de forma bastante favorável.

Spread the love
Raiz ebook

About the author

Luciano Meneghello

Luciano Meneghello

Luciano Meneghello é Editor-chefe do Aloha Spirit Club. Pioneiro na produção de conteúdo direcionado a esportes de água como SUP, va'a e paddleboard, foi fundador da Revista Fluir Standup e do site SupClub e tem artigos publicados em diversos veículos do segmento, como revista Go Outside, Alma Surf, site Waves, entre outros.

  • Mar e mana quadrado
    Paddles quadrado

error: Entre em contato para ter essa noticia em seu site. Obrigado.