bbw brunette reveals her tits. tamil xxx
sex videos

Acidente envolvendo baleia e barco de pesca gera comoção e revolta na web

Imagens mostram uma baleia jubarte com a cauda arrancada após ficar presa aos cabos de uma traineira; autoridades investigam se a amputação foi intencional ou provocada pelos pescadores

.

Desde o início desta semana, imagens bastante fortes que mostram uma baleia da espécie jubarte com a cauda decepada, ao lado de um barco de pesca, supostamente no litoral de Santa Catarina, tem causado revolta e comoção nas redes sociais.

No vídeo, a cauda decepada aparece presa aos cabos de aço utilizados pela embarcação para a pesca de arrasto. É possível ouvir os pescadores conversando sobre o animal, que teria se aproximado e, na versão da conversa, ‘atacado’ a embarcação. Instantes depois, é possível ver a baleia ainda viva, próxima à proa da embarcação e uma mancha de sangue no mar.

O Instituto Chico Mendes de Biodiversidade (ICMBio) e a Polícia Federal abriram uma investigação para apurar a prática de crime ambiental contra o animal, que é protegido em águas brasileiras pelo Decreto Lei n° 7643 de 18 de dezembro de 1987, que proíbe a caça e o molestamento de baleias. 

Segundo o ICMBio, a apuração preliminar indica que o caso teria ocorrido no litoral de Santa Catarina e o sotaque dos pescadores nas filmagens nitidamente corrobora para essa tese.

As autoridades estão trabalhando em conjunto para identificar a embarcação para ouvir tripulantes sobre o caso, que, se considerados culpados, poderão ser punidos com multa e até prisão.

Acidente ou crime ambiental?

baleia teve cauda amputada
Compartilhadas nas redes sociais, as imagens provocaram revolta e comoção. Foto: Reprodução

Enquanto os pescadores ainda não foram localizados, especialistas divergem sobre o que teria provocado a amputação da cauda.

Para o oceanógrafo Roberto Wahrlich, professor da Univali, em Itajaí, seria muito difícil uma amputação proposital, com o animal vivo, pois trata-se de uma baleia de 10 toneladas.

Minha impressão é de que cauda foi cortada pelo cabo de aço, ela está presa no cabo. Há histórias de pescadores que tiveram membros decepados por cabos que estouraram, e vieram para cima do convés. Em princípio, acredito que tenha sido uma fatalidade”, disse o professor ouvido em reportagem produzida pela NSC de Santa Catarina.

Já o pesquisador Jules Soto, curador do Museu Oceanográfico da Universidade do Vale do Itajaí (Univali), não descara a hipótese da cauda ter sido arrancada pelos próprios pescadores com a intenção de salvarem a rede de pesca.

Segundo Soto, ouvido pela reportagem do site G1, a decisão de amputar a cauda, se confirmada pela perícia, é totalmente equivocada.

A reação da baleia quando prende a cauda sempre é girar para tentar se libertar daquilo, isso geralmente ocasiona o emalhamento no cabo. A primeira análise que a gente tem é que está tudo errado. De forma alguma uma baleia daquele tamanho põe aquele barco a pique. Ela não ameaçaria aquele barco. Existe uma desproporção muito grande de massa, principalmente porque a baleia não vai puxar pra baixo quando ela está nessa situação, ela vai puxar pra frente ou para os lados“, explica.

Enquanto a verdade não vem à tona, resta a tristeza por testemunhar o sofrimento de um animal tão belo.

O problema da pesca de arrasto motorizada

rede d arrasto
Na pesca de arrasto de fundo, tudo estiver no caminho, até mesmo corais, é ‘arrastado’ para dentro da rede. Foto: Reprodução

Apesar de livremente praticada no Brasil e com pouca ou nenhuma fiscalização, a pesca de arrasto motorizada é considerada por cientistas extremamente prejudicial à biodiversidade marinha.

Juntamente ao pescado capturado, esse tipo de pesca industrial provoca a morte de corais, esponjas, tartarugas, peixes não comerciais e outros mamíferos marinhos involuntariamente capturados pela rede, razão pela qual essa prática é proibida ou sofre fortes restrições em diversos países.

No Brasil, cada um dos 17 estados costeiros tem uma regra a respeito de como deve ser praticada, sempre em relação à distância da costa.

Em alguns estados a distância é de uma milha náutica, em outros, três milhas. Mas, como praticamente não existe fiscalização, é comum ver barcos pesqueiros passando o arrasto na zona de arrebentação.

Estudos mais recentes comprovam, também, através de imagens de satélite, que nuvens de lama se espalham e permanecem suspensas no mar muito depois que a traineira passou.

Esse material em suspensão é potencialmente nocivo a diversas outras espécies de animais marinhos, podendo causar um desequilíbrio na cadeia alimentar desses ecossistemas.

Para saber mais sobre o assunto, recomendamos a leitura do artigo: “Pesca de arrasto: entenda como acontece a destruição do habitat”.

Spread the love
  • Mar e mana quadrado
    Paddles quadrado

error: Entre em contato para ter essa noticia em seu site. Obrigado.