bbw brunette reveals her tits. tamil xxx
sex videos

O marco zero da cultura de water sports no Brasil

Os irmãos Thomas e Margot Rittscher, Jua Haffers e Osmar Gonçalves são personagens fundamentais da cultura de water sports no Brasil
cultura de water sports no Brasil
Osmar Gonçalves explorando outras possibilidades no início dos anos 1940. Foto: Reprodução

Na primeira metade do século XX a cultura de praia estava começando a surgir em todo mundo e o Brasil, com suas belas praias, se enquadrava perfeitamente a essa filosofia.

Nos anos 1930 Santos (SP) vivia tempos de prosperidade. O porto da cidade já era desde aquele tempo o mais importante da América do Sul e os negócios do café, exportado por ali, moviam a economia do país.

Os restaurantes da cidade eram frequentados por homens de negócios e os hotéis lotados de executivos e turistas.

O Santos Futebol Clube, bem antes de Pelé, havia conquistado seu primeiro título paulista em 1935, e os clubes de remo e natação da Ponta da Praia acumulavam troféus em competições nacionais.

Santos era uma cidade cosmopolita e seus habitantes naturalmente aderiram à cultura de praia e seus prazeres: esportes náuticos, diversão na areia e as garotas perdendo a timidez de usar maiôs (os biquínis só chegariam nos anos 1950).

Já se praticavam esportes no mar, é verdade, mas aquele sentimento de se sentir integrado ao oceano, tão inerente aos polinésios, estavas prestes a florescer por aqui.

A primeira prancha

da cultura de water sports no Brasil
Thomas Rittscher, o pioneiro. Foto: Reprodução

Primavera de 1933. O jovem Thomas Ernest Rittscher Júnior esperava ansioso pela volta do pai, conhecido e respeitado corretor de café da praça de Santos, que regressava de mais uma viagem de negócios aos Estados Unidos.

Ele presenteou seu filho com um exemplar da revista “Modern Mechanix and Inventions Magazine”.

Thomas ficou encantado com uma das matérias da revista, “Hawaiian Water Sled is Easy to Build”, que trazia uma ampla reportagem onde se explicava o passo a passo para que o leitor pudesse criar uma autêntica prancha ‘hawaiian surf board’, a prancha oca de surfe havaiana.

A prancha oca apresentada no artigo era uma versão das pranchas criadas por Tom Blake, que revolucionariam não só o surfe, mas, também, o stand up paddle, o paddleboard e, principalmente, as pranchas de salvamento aquático.

Rittscher Júnior percebe que a prancha é construída como uma versão fechada de um barco a remo olímpico, esporte muito popular em Santos e praticado por ele, assim como a natação, vela, entre outras atividades ligadas a água.

cultura de water sports no Brasil
Margot Rittscher primeira water woman brasileira.

Thomas tinha também bons conhecimentos de carpintaria naval e mantinha na garagem da sua casa uma pequena oficina onde construía seus barcos.

Rittscher Júnior decide então construir sua prancha e chama a irmã Margot (um ano mais velha do que ele) para ajudá-lo na empreitada. Ela prontamente aceita o desafio.

Após um ano e meio de trabalho de carpintaria a prancha finalmente fica pronta. Ela tinha 12 pés de comprimento e 22 polegadas meio e pesava quase 40 quilos.

A estreia foi feita durante um sábado ensolarado de 1935. Tommy e Margot tiveram que aprender na marra, pois o artigo mostrava como construir a prancha em detalhes, mas, no entanto, oferecia somente instruções gerais sobre a arte de surfar.

Depois de muitas idas e vindas até o raso para buscar a prancha, acabaram percebendo como ela se comportava nas ondas e dão início ao marco zero do surfe brasileiro.

A turma aumenta

cultura de water sports no Brasil
Jua Haffers, Santos, início dos anos 1940. Foto: Reprodução

Thomas e Margot tiveram as ondas santistas só para eles por mais de um ano, até que em 1937, João Roberto Suplicy Haffers, o “Jua”, encontra Thomas saindo do mar com a prancha.

Eles se conheciam bem pois eram praticamente vizinhos de rua e nadavam juntos na equipe do Clube de Regatas Saldanha da Gama.

Impressionado com o que viu, Jua, que era cerca de cinco anos mais novo, pede ao amigo para experimentar e Thomas, sem hesitar, empresta-lhe a prancha e ainda dá alguns toques ao amigo, que sofre um bocado até conseguir surfar a primeira onda.

Percebendo a empolgação de Jua, Thomas lhe garante que sempre que quisesse surfar, bastaria pedir a prancha emprestada, mas o garoto, já fisgado pelo surfe, decide construir uma para ele.

cultura de water sports no Brasil
Jua Haffers e Osmar Gonçalves , Santos, início dos anos 1940. Foto: Reprodução

Jua então pede ajuda a seu tio, Tom Simonsen, que tinha uma oficina de carpintaria montada no fundo da sua casa. Ele e Thomas mostram os planos da prancha para o tio, que estava acompanhado de Júlio Pulz, amigo de Simonsen e dono de um estaleiro naval na região.

Pulz se interessa pela novidade e se oferece para ajudar na construção. Ele e Rittscher trocam ideias sobre a construção da nova hollow board de Jua e tem início a construção da segunda prancha brasileira da história.

Àquela altura, Osmar Gonçalves e Silvio Manzoni, dois amigos inseparáveis de Jua, já haviam descoberto a maravilhosa arte de surfar ondas praticada pelos irmãos Rittscher e ajudam na construção da prancha.

Era o início da primeira tribo de surfistas do Brasil.  

Assim, a partir de 1937, os irmãos Rittscher, Osmar, Jua e Silvio passaram desbravar os diferentes picos das praias da região, incluindo uma session épica no pico conhecido como Porta do Sol, em São Vicente, desbravado por Thomas e Jua.

Uma bancada de areia localizada no meio do canal que de acesso ao estuário de São Vicente, local cujo acesso se dá somente na remada e com muita correnteza, mas que, nos dias certos, produz ondas incríveis.

Surfe e remada

cultura de water sports no Brasil
Osmar Gonçalves tinha sempre um remo a tiracolo. Foto: Reprodução

Em 7 de dezembro de 1941, o Japão declara estado de guerra contra os Estados Unidos após bombardear a base estadunidense de Pearl Harbor, no Havaí.

O evento marca a entrada dos Estados Unidos na 2ª Guerra Mundial e Thomas, nascido nos EUA, se alista no consulado americano em Santos. Enquanto não é chamado para a ativa, segue para o Rio de Janeiro em 1942 onde permanece durante a guerra aguardando uma convocação que acabou não acontecendo.

Jua e Osmar continuaram surfando as ondas da praia do Gonzaga, em Santos.

Osmar costumava levar consigo um remo para ajudá-lo a entrar nas ondas (exatamente como Duke Kahanamoku fazia no Havaí quando usava pranchas maiores).

Logo eles perceberam que uma prancha e um remo poderiam proporcionar muita diversão mesmo nos dias sem ondas e acabaram, sem querer, desenvolvendo o mesmo esporte que ficaria anos mais tarde muito conhecido pelos beachboys havaianos de Waikiki: o stand up paddle.

Osmar e Jua eram os mais assíduos. A dupla batia cartão na praia e também experimentou o uso de velas nas pranchas, usando os mesmos princípios do windsurfe, outro esporte só seria “criado oficialmente” décadas mais à frente.

cultura de water sports no Brasil
Odair Righi que seguiu os passos de Osmar Gonçaves, remando em pé em Santos nos anos 40/50. Foto: reprodução/ Naldo Lima

Osmar e Jua seguiram surfando, remando em pé e desfrutando o mar de Santos pelos anos seguintes sendo, além de surfistas fissurados, verdadeiros waterman.

No entanto, com a entrada do Brasil na Segunda Guerra Mundial, Jua alistou-se como piloto na Força Aérea e fez a Campanha do Atlântico Sul, protegendo comboios de navios contra submarinos nazistas e depois mudou-se para a capital do estado, São Paulo. 

Osmar seguiu surfando e remando até aproximadamente 1946, quando então se casou e foi morar no interior de São Paulo.

O Rio de Janeiro e a linha evolutiva do surfe brasileiro

cultura de water sports no Brasil
A famosa “porta de igreja”. Rio de janeiro, anos 1950. Foto: Reprodução

Alguns anos mais tarde, no início de década de 1950 o surfe chegou ao Rio de Janeiro, mas sem uma conexão com os “beachboys” de Santos.

Não se sabe exatamente como começou, mas a maioria dos estudiosos da história do surfe brazuca acredita que as primeiras pranchas do Rio, conhecidas como “portas de igreja”, chegaram à cidade por meio de funcionários de empresas aéreas que haviam tido contato com a modalidade nos EUA.

Diferentes das pranchas ocas usadas em Santos, as primeiras pranchas cariocas eram feitas de madeira e lembravam, de fato, uma porta de igreja.

Surfista não identificado surfando com uma “caixa de fósforo” em Santos, no final dos anos 1950. Foto: Reprodução

Mais tarde sofreram algumas melhorias no seu design, passando a ser chamadas “madeirite” e, nos anos 60, a carioca São Conrado Surfboard, introduziu no Rio de Janeiro as primeiras pranchas de fibra de vidro, seguindo um fio condutor contínuo com a linha evolutiva do surfe brasileiro com os primeiros campeonatos e federações.

A cultura do surfe brasileiro, como conhecemos hoje, evoluiu, de fato, a partir desse movimento originado no Rio de Janeiro e que só faria uma conexão com a cidade de Santos a partir do início dos anos 60.

Mas isso não quer dizer que o esporte desapareceu por completo entre os santistas.

O fato é que, após a mudança de Osmar para Campinas, não se tem muita informação sobre o surfe na cidade, porém, Margot, a irmã de Thomas, seguiu surfando até os anos 1950.

cultora de water sports no Brasil
Réplicas das primeiras pranchas santistas, incluindo a “caixa de fósforo”, em exposição no museu de surfe de Santos. Foto: Soren Knudsen

Usando uma prancha oca de dimensões menores, com sete pés de altura, e construída por seu irmão, Margoth dizia que por muitos anos foi a única pessoa a usar uma prancha nas ondas santistas.

Também nessa época, entre o final dos anos 1940 e início dos anos 1950, descobriu-se que havia pelo menos mais uma pessoa, além de Margot, usando as pranchas ocas nas praias da cidade.

Um senhor chamado Odair Righi, teria construído uma prancha semelhante à de Jua, mas ao contrário dos pioneiros, Odair curtia mesmo a remada em pé.

Odair costumava também remar com sua prancha pelos canais da cidade, que naquela época eram navegáveis.

Caixas de fósforo

Alguns anos mais tarde, já no final da década de 1950, início dos anos 1960, o lineup de Santos novamente passou a ser ocupado por pranchas de surfe.

Batizadas de “caixa de fósforo”, eram pranchas ocas com uma construção bastante semelhante à da prancha usada por Margoth.

cultura de water sports no Brasil
Thomas e Margot Rittscher em 1940 e já no novo milênio. Foto: Reprodução/ Trip

A partir de então, o surfe e os esportes de água só cresceram em número de praticantes e popularidade, mas isso é assunto para outro artigo…

Todos os personagens dessa bela e importante história já partiram, mas seu legado jamais será esquecido.

Aloha Pioneiros

Spread the love

About the author

Luciano Meneghello

Luciano Meneghello

Luciano Meneghello é Editor-chefe do Aloha Spirit Club. Pioneiro na produção de conteúdo direcionado a esportes de água como SUP, va'a e paddleboard, foi fundador da Revista Fluir Standup e do site SupClub e tem artigos publicados em diversos veículos do segmento, como revista Go Outside, Alma Surf, site Waves, entre outros.

  • Mar e mana quadrado
    Paddles quadrado

error: Entre em contato para ter essa noticia em seu site. Obrigado.