Austrália fica com o ouro no Mundial de SUP e Paddleboard da ISA

Equipe australiana vence as disputas de revezamento por equipe e país conquista sua sexta medalha de ouro nas edições do Mundial de SUP e Paddleboard da ISA. Brasil encerra sua participação na 11ª colocação e brilha em categorias individuais
Seis ouros em sete edições do Mundial da ISA. A Austrália realmente tem muito o que comemorar. Foto: ISA / Jimenez

Após uma semana intensa chega ao fim, em Wanning, na China, o Mundial de SUP e Paddleboard da ISA. A competição realizou em seu último dia as provas de revezamento por equipes no SUP e Paddleboard consagrando a vitória da Austrália no quadro geral de medalhas. Em sete anos de ISA World SUP and Paddleboard Championship, os aussies venceram seis torneios.

O último dia de competição na Península Shenzhou contou com a prova de revezamento, onde 14 nações competiram em um circuito de quatro voltas. Cada equipe era formada por quatro atletas, dois homens e duas mulheres, remando de SUP e Paddleboard.

Cada competidor completou uma volta no circuito, remando ao redor das boias antes de correr até a praia para alcançar seu companheiro de equipe.

Provas de revezamento por equipes encerraram a semana de competições na China. Foto: ISA / Evans

A equipe australiana foi a grande campeã, seguida pelos EUA, com a Prata.

Já o Bronze chegou a um final emocionante entre o neozelandês Trevor Tunnington e o dinamarquês Casper Steinfath. Tunnington derrotou Steinfath por frações de segundo na linha de chegada, levando o Bronze para sua nação, deixando o Cobre para a Dinamarca.

A equipe brasileira formada por Vinnicius Martins, Jessika Moah, Arthur Santacreu e Aline Abad, ficou na 11ª colocação.

EQUIPES MEDALHISTAS NA PROVA DE REVEZAMENTO

Ouro – Austrália

Prata – EUA

Bronze – Nova Zelândia

Cobre – Dinamarca

AUSTRÁLIA CAMPEÃ ENTRE AS NAÇÕES

Com duas medalhas de ouro no Mundial, Grace Rosato foi o grande nome da Austrália. Foto: ISA / Jimenez

Após um início tímido, a equipe australiana foi subindo de produção nas provas, sobretudo impulsionada pelos resultados obtidos no Prone Paddleboard, fechando sua campanha com chave-de-ouro ao vencer a disputa de revezamento por equipes no domingo (02).

Vice-campeões do Mundial, os EUA conquistaram a medalha de prata, o melhor resultado do país desde que conquistaram o ouro, em 2015. A equipe da França ganhou o Bronze, e a equipe da Espanha completou o pódio entre as nações conquistando o Cobre.

A campanha vitoriosa da Austrália no Mundial resultou em cinco medalhas de ouro individuais: Shakira Westdorp (SUP Wave), Grace Rosato (Paddleboard Técnico e Longa Distância), Lachie Lansdown (Paddleboard Técnico) e Michael Booth (Longa Distância) e mais oito medalhas entre Prata, Broze e Cobre, conquistadas por atletas como Terrene Black, Sam McCullough e Harry Maskell.

Grace Rosato brilhou como a única atleta da competição a levar duas medalhas de ouro pra casa e Shakira Westdorp mostrou sua versatilidade ao ser medalhista em duas modalidades: Ouro no SUP Wave e Bronze na Longa Distância.

Mesmo sem ser uma atleta de paddleboard, Jessika Moah vestiu a lycra de competição e deu seu melhor pelo nosso país. Atitude louvável, porém, precisamos fomentar mais esse esporte no Brasil. Foto: ISA / Jimenez

O Brasil encerrou sua participação no Mundial na 11ª colocação mesmo com as duas medalhas de ouro de Luiz Diniz e Athur Santacreu, e as duas medalhas de bronze de Caio Vaz e Vinnicius Martins. Porém, a falta de atletas no Paddleboard e o quadro reduzido de competidores brasileiros, levaram nossa equipe a perder pontos que certamente nos colocariam em lugares mais altos no ranking geral se tivéssemos disputado todas as provas.

Quem acompanhou a série de reportagens especiais que foram feitas aqui no Aloha Spirit Club sabe dos inúmeros contratempos que marcaram a trajetória de nossos atletas para chegar à China, a começar pelo trauma do cancelamento do Mundial em Búzios, passando pelas desistências de diversos nomes de nossa equipe, por conta dos custos da viagem, à luta daqueles que embarcaram para a China para conseguir chegar lá e representar nosso país com muita dignidade.

Pódio SUP Wave: Luiz Diniz medalha de ouro e Caio Vaz medalha de Bronze (representado aqui por Aline Abad). Foto: ISA / Jimenez

E ainda que a 11ª colocação não seja o “resultado dos sonhos”, tivemos uma das melhores campanhas do Brasil ao longo dos Mundiais da ISA em termos de resultados individuais.

Certo que por conta do formato deste Mundial, é necessário estimular mais o desenvolvimento do Prone Paddleboard em nosso país, seja incorporando a modalidade a alguma confederação já existente, ou por meio de uma federação própria, criada e constituída por atletas da modalidade.

Nossos atletas, como já estamos acostumados a ver, brilham em decorrência de trabalhos individuais e de muita luta por conta da falta de apoio.

Pódio SUP Sprint – Medalha de ouro para Arthur Santacreu. Foto: ISA / Jimenez

Porém, vale também ressaltar a importância do circuito brasileiro organizado pela CBSUP que permite, ano após ano, que nossos competidores desenvolvam em alto rendimento suas habilidades em diferentes formatos de prova, e também de competições nacionais como o Aloha Spirit Festival, muito importantes sobretudo no fomento das categoria de base e amadoras.

A aproximação da CBSurf, agora ligada ao Comitê Olímpico Internacional, com a CBSUP , também poderá render bons frutos no futuro a depender da forma em que for conduzida. De concreto, já temos uma experiência muito boa com o apoio oferecido aos atleta de stand up paddle convocados para representar o Brasil no Pan-Americano de Surfe, que tiveram suas despesas de viagem custeadas pela entidade graças à bolsa destinada a atletas que representam nosso país em competições internacionais ligadas ao COI.

Pódio SUP Longa Distância – Vinnicius Martins medalha de bronze. Foto: ISA / Jimenez

Por hora, deixo registrado aqui meus parabéns ao nosso técnico, Marcelo Esquilo, e a toda equipe de atletas brasileiros que literalmente atravessaram o planeta para representar nosso país com muita garra e dignidade: Arthur Santacreu, Luiz Diniz, Nicole Pacelli, Vinnicius Martins, Jessika Moah, Aline Abad, Caio Vaz, Isteffani Moraes, Guilherme Cunha e Patrick Winkler.

MUNDIAL DA ISA 2018 – CLASSIFICAÇÃO FINAL POR NAÇÕES

Ouro – Austrália

Prata – EUA

Bronze – França

Cobre – Espanha

5 – Nova Zelândia

6 – Japão

7 – Itália

8 – Dinamarca

9 – África do Sul

10 – Grã-Bretanha

11 – Brasil

Confira o quadro geral com todas as nações AQUI.

VÍDEO DO ÚLTIMO DIA

MATÉRIAS RELACIONADAS

Bronze de Vinni Martins Mantém a mora da nossa equipe

Vinnicius Martins fica com o Bronze na Race Long Distance!

Mundial da ISA entra na reta final com Ouro de Tuca Santacreu

Arthur Santacreu é ouro no SUP Sprint!

Com chances de medalha, Brasil disputa provas de Sprint

EUA Mostram sua força

Brasil garante vaga na final do SUP Race

Hoje é dia de Race Técnico

Luiz Diniz é Ouro e Caio Vaz Bronze!

Brasileiros a um passo da finalíssima

No SUP Wave, brasileiros tem nova atuação de gala

Um balanço do dia 01 do Mundial da ISA

Caio Vaz e Luiz Diniz largam na frente

Nações celebram abertura de Mundial

Vai começar o Mundial da ISA

Brazucas fazem o reconhecimento da área

Brasil preparado para o desafio

Please follow and like us:

About the author

Luciano Meneghello

Luciano Meneghello

Luciano Meneghello é Editor-chefe do Aloha Spirit Club. Pioneiro na produção de conteúdo direcionado a esportes de água como SUP, va'a e paddleboard, foi fundador da Revista Fluir Standup e do site SupClub e tem artigos publicados em diversos veículos do segmento, como revista Go Outside, Alma Surf, site Waves, entre outros.


error: Entre em contato para ter essa noticia em seu site. Obrigado.