Preservar a cultura caiçara é preservar a nossa história

VIII Festejo Caiçara de Trindade reforça a importância e o valor da cultura caiçara com um festival que uniu atividades esportivas, educacionais e culturais no mês de outubro
Canoas alinhadas para a largada da disputa entre canoas caiçaras em Trindade. Tradição caiçara resiste e precisa ser respeitada. Foto: Lucas Belchior

Durante a transmissão dos Jogos Olímpicos de 2016, o locutor Galvão Bueno, emocionado após a conquista da terceira medalha de Isaquias Queiroz, disse: “A canoagem é o esporte mais brasileiro que existe!”.

Sou obrigado a concordar com ele. Claro que não em termos de popularidade (infelizmente), mas quando olhamos para toda a oferta de rios e lagos navegáveis, além da gigantesca costa de nosso país, essa afirmação faz todo sentido. Dos indígenas que se locomoviam por meio de canoas, aos portugueses, mestres da navegação, que atravessaram o Atlântico para chegar até aqui, muitas águas se passaram para formar o povo que somos hoje, em várias partes do nosso país, cada qual com a sua peculiaridade, mas quase todas tendo a canoa entre seus elementos tradicionais.

No litoral Sul e Sudeste brasileiro, uma das culturas que melhor representa essa gênese entre europeus e indígenas é a caiçara, como são conhecidos os habitantes tradicionais de uma região litorânea que vai majoritariamente do Rio de Janeiro ao Paraná, e que tem na canoa o seu maior símbolo.

A cultura caiçara sofre com a especulação imobiliária, mas resiste e vem ganhando mais força nos últimos anos, sendo, inclusive, incorporada a eventos do segmento “paddle”, como no caso do Kopa, por exemplo.

Por isso, é importante divulgar um dos eventos mais bacanas sobre a temática caiçara realizados em 2018. Trata-se do VIII Festejo Caiçara de Trindade, festival promovido pela AMOT – Associação de Moradores de Trindade, que foi realizado no final de outubro para celebrar a história de luta dessa comunidade com uma extensa programação de atividades culturais.

Local de Trindade e top do circuito brasileiro de SUP Race, Lucas Belchior é um grande defensor da cultura caiçara. Foto: Fabio Mota

Top do circuito brasileiro de SUP Race e local de Trindade, Lucas Belchior, que esteve envolvido na organização do Festejo Caiçara, comentou a importância do evento:

O evento acontece todos os anos, mas ganhou mais força nos últimos por causa da necessidade de afirmação da cultura caiçara em sua terra, contra a especulação imobiliária e outros perigos”, revela.

De fato, nos últimos 30 anos a cultura caiçara tem sofrido muitos ataques por conta da especulação imobiliária no litoral sudeste brasileiro. É, portanto, fundamental manter viva essa cultura que diz tanto sobre nós mesmos.

Preservar a cultura caiçara é preservar a nossa história.

Spread the love

About the author

Luciano Meneghello

Luciano Meneghello

Luciano Meneghello é Editor-chefe do Aloha Spirit Club. Pioneiro na produção de conteúdo direcionado a esportes de água como SUP, va'a e paddleboard, foi fundador da Revista Fluir Standup e do site SupClub e tem artigos publicados em diversos veículos do segmento, como revista Go Outside, Alma Surf, site Waves, entre outros.


error: Entre em contato para ter essa noticia em seu site. Obrigado.