Tríplice Coroa | Balanço, resultados e tempos do Aloha Spirit Downwind

Confira o balanço da segunda etapa da Tríplice Coroa de Downwind, Aloha Spirit Downwind, com os resultados e tempos de todas as categorias
Remando de Surfski, José Marcos Mendes (SP) colocou mais uma fita azul pra conta. Foto: Reprodução

Após as emoções da Spot Paddle, os competidores voltaram para a água para as disputas do Aloha Spirit Downwind, etapa de número 2 da Tríplice Coroa de Downwind 2018, o maior e mais tradicional circuito de race downwind do Brasil, disputado em três modalidades de ‘paddle sports’: SUP, OC1 e Surfski.

Os competidores largaram na manhã desta sexta-feira (19) de Mucuripe e remaram por 12 km até Barra do Rio. Hoje as condições de downwind estavam melhores ainda do que ontem, principalmente pra quem optou por fazer uma linha intermediaria, não remando muito pra fora, mas, sem se aproximar demasiadamente da praia, aproveitando assim o melhor das ondulações e ventos.

O primeiro competidor a cruzar a linha de chegada foi novamente o paulista José Marcos Mendes, remador de Surfski da Turma do Remo, que rompeu a barreira das horas terminando a prova com o tempo de 55m57s. José Correia Filho, com o tempo de 01h07m43s, ficou com a segunda colocação e Paulo Brandão, com o tempo de 01h21m22s, fechou o pódio do Surfski.

Já a primeira canoa a cruzar a linha de chegada foi a OC1 comandada pelo experiente Cauê Serra, de Santos (SP), capitão do clube Hoe Mana, e leme da equipe Taho’e.

Pódio da OC1 Open (da esq. para dir.): Dave Macknight (3º), Cauê Serra (1º) e Pedrinho Weichert (2º). Foto: AP

Cauê terminou a prova com o tempo de 01h00m24s e comemorou bastante a vitória, que teve um sabor mais do que especial após a Spot Paddle de ontem, quando passou mal e quase abandou a prova:

Ontem eu passei muito mal durante a prova. Alguma coisa que comi não me fez bem e parei pra vomitar várias vezes e acabei chegando em último. Hoje, pra ser sincero, eu nem ia remar, mas ai a galera botou uma pilha e eu resolvi ir. Mas entrei na água com a certeza de que o Pedrinho (Weichert)  iria ganhar. E de fato ele disparou e ficou bem na frente nos primeiros 5 km. No começo estava mais liso, só que depois as condições de surfe começaram a ficar muito boas, com ondas um pouco menores mas com bastante conexão, e aí eu consegui icar do lado do Pedrinho e, então, consegui ultrapassá-lo. Aí eu passei a acreditar que seria possível vencer a prova e consegui vencer, mas com o pedrinho bem próximo. Foi bem divertido e agora estou animado pra última etapa! É uma pena que a Tríplice Coroa eu já não tenho mais chance, mas quero melhorar minha colocação”, revela Cauê.

Duelo entre Cauê Serra e Pedrinho Weichert

E a briga realmente foi bem parelha. o segundo colocado na OC1, o capixaba Pedro Henrique Weichert, que assina a coluna “Remando Com Pedrinho” aqui no Aloha Spirit Club, chegou atrás de Caue por uma diferença de nove segundos, com o tempo de 01h00m33s:

A prova foi irada. Curtinha, mas apesar disso senti um pouco o braço por causa da prova de ontem. Tive que remar uns 4 km de lado, forçando o braço pra segurar o remo. Mas fui bem. Liderei a prova até uns 5 km, quando o Caue chegou junto fazendo downwind. Aliás ele deu aula de downwind hoje. É impressionante a habilidade dele no surfe de canoa. Muito bom competir com um cara que eu considero meu mestre! Deu pra ver que eu tenho que evoluir bastante. Mas deu um peguinha legal! Agora tem a W2, infelizmente tanto eu, quando o Caue, fomos mal na primeira etapa e as chances de conquistar a Tríplice Coroa são muito pequenas. Mas eu tenho que ganhar pelo menos uma vez do Caue!“, brinca Pedrinho, que, assim como Caue Serra, também integra a equipe Taho’e.

Fechando o pódio, na terceira colocação veio Dave Macknight, com o tempo de 01h01m27s.

A capixaba Thassia Marques (no destaque) conquista sua segunda vitória na OC1 da Tríplice Coroa de Downwind 2018. Foto: AP

Entre as mulheres da OC1 a vitória ficou novamente com a capixaba Thassia Marques. Mais à vontade com o mar cearense, a remadora da  Equipe Vênus, atual campeã brasileira de V6, fica mais perto do título da Tríplice Coroa com a vitória de hoje:

As condições hoje estavam bem melhores. O vento mais alinhado com a ondulação. Foi muito mais divertido. Me entendi com a canoa e consegui surfar melhor, conectar umas ondas. Fiz uma linha um pouco mais aberta e consegui passar a Marta (Terra) que remou forte. Agora a expectativa é que a terceira prova nos traga uma condição ainda melhor. Com uma ondulação maior e vento alinhado. Acho que não é pedir muito né!” (risos)

Thassia concluiu a prova com o tempo de 01h10m28. Marta Terra (RJ), sua adversária direta na briga pela Coroa, ficou com a segunda colocação com o tempo de 01h11m11s e, fechando o pódio, Patrícia Kruger (RJ) com o tempo de 01h11m54s.

Marinho Cavaco foi novamente o primeiro SUP a cruzar a linha de chagada. Foto: AP

No SUP, novamente vitória do experiente capitão da CPT Paddle Team, Marinho Cavaco (SP), que teve um começo não tão bom quanto o de ontem, principalmente por conta dos primeiros quilômetros, mais abrigados dos ventos e das ondas, que obrigaram Cavaco a forçar o remo para mover a sua SIC 17 Pés até alcançar a zona de downwind:

Depois da largada eu fiquei até meio apreensivo porque não tinha vento! mas depois de uns 4 km começou a entrar o vento e eu tive a impressão de que tinha mais ondulação do que ontem e pra mim foi até mais diverto hoje. Teve momentos em que eu nem precisei remar para conectar os bumps. Acho que hoje todo mundo se divertiu“, avalia Marinho, que terminou a prova com o tempo de 01h07m43s. Completando o pódio da Unlimited vieram Denis Goebel com o tempo de 01h17m13s, em segundo, e Tom Amonim (CE) com o tempo de 01h18m15s.

Na SUP Stock, a tricampeã brasileira Lena Guimarães novamente deu show e foi a primeira de sua categoria (e segunda entre todos os SUP’s) a cruzar a linha de chegada com o tempo de 01h13m34s:

De manhã parecia que não teria muito vento, mas logo depois da largada o vento entrou e foi ficando cada vez mais forte. Hoje, como era bem mais curto o percurso, muita gente optou por não abrir muito. Só que quem ficou muito próximo da praia também teve que brigar um pouco com a ondulação, e acabou não conseguindo evoluir muito no downwind. Mas no geral a galera conseguiu se divertir muito porque foi uma prova que teve muito vento e muito surfe“, conta Lena.

O casal Lena Guimarães Ribeiro (1ª no SUP Stock e 2ª no Geral do SUP) Américo Pinheiro (2º na Master OC1 e 4º na Open OC1). Foto: AP

tricampeã brasileira é a única mulher de SUP na prova. Dessa forma, ele buscou motivação competindo com os homens e na prova de hoje travou uma briga muito boa contra o campeão cearense Paulo Vasco (CE) e Ivan Mundim (RJ). “Na reta final eu consegui ultrapassar o Paulo Vasco surfando uma ondinha já na beira e a diferença foi de alguns segundos“, revela.

Paulo Vasco, campeão da SUP Stock Masculino, fez o tempo de 01:13:37s, e Ivan Mundim, segundo colocado entre os homens da Stock fez o tempo de 01h14m22s.

Agora, fechando a Tríplice Coroa de Downwind, com janela de espera entre os dias 21 a 23 de outubro, teremos a “jóia da coroa”, a W2, com 30 km de Mucuripe e Cumbuco, onde serão coroados os campeões da temporada de 2018.

ACOMPANHE EM TEMPO REAL

Toda a movimentação dos competidores poderá ser acompanhada ao vivo, através dos geolocalizadores da SPOT cujas informações serão disponibilizadas AQUI.

RESULTADOS + TEMPOS ALOHA SPIRIT DOWNWIND 2018

SURFSKI MASCULINO GERAL
NomeTempo
1José Marcos Mendes00:55:57
2José Correia Filho01:07:43
3Paulo Brandão01:21:22
SUP UNLIMITED MASCULINO GERAL
1Mario Cavaco01:07:43
2Denis Goebel Praça01:17:13
3Tom Amorin01:18:15
SUP STOCK FEMININO GERAL
1Lena Guimarães Ribeiro01:13:34
SUP STOCK MASCULINO GERAL
1Paulo Vasco01:13:37
2Ivan Mundim01:14:22
3Guilherme Junior01:20:03
4Sanio Loureiro de Andrade01:20:16
5Augusto de Camargo Leite01:21:29
6Alexandre David Dantas01:31:01
7Sergio Luiz C. de Oliveira01:34:39
8Jorge Mario Villas Boas01:35:09
SUP STOCK MASCULINO + 40
1Sanio Loureiro de Andrade01:20:16
2Augusto de Camargo Leite01:21:29
3Haroldo Correia Máximo01:36:18
SUP STOCK MASCULINO +50
1Ivan Mundim01:14:22
2Jorge Mario Lino01:35:09
3Jorge Brito01:42:57
OC1 FEMININO GERAL
1Thassia Marques01:10:28
2Marta Terra01:11:11
3Patrícia Kruger01:11:54
4Vivian Liane01:18:56
5Lidiane Gonçalves09:04:00
6Ana Paula Dias Mendes01:19:26
7Lorena Kruger01:21:14
OC1 MASCULINO GERAL
1Caue Serra01:00:24
2Pedro Weichert01:00:33
3Dave Macknight01:01:27
4Américo Pinheiro01:02:27
5Claudio Chain01:04:08
6Daniel Lima Rocha01:04:55
7Vitot Pogetti01:05:04
8Rodrigo Almeida da Costa01:07:06
9Claudio Carneiro01:08:37
10Ricardo Freitas01:13:02
11Marcos José de Araujo01:16:03
12Felipe Dias Braga01:29:57
OC1 MASCULINO + 40
1Dave Macknight01:01:27
2Américo Pinheiro01:02:27
3Claudio Chain01:04:08
4Claudio Carneiro01:08:37
5Ricardo Freitas01:13:02
6Marcos José de Araujo01:16:03

> RANKING APÓS A SEGUNDA ETAPA – AQUI

Acompanhe as mídias oficiais da prova @triplicecoroaeco e Facebook / Tríplice Coroa, bem como aqui no AlohaSpiritClub.com.br e nossas respectivas redes sociais @alohaspiritclub e Facebook / Aloha Spirit Club, onde serão divulgadas informações oficiais sobre a Tríplice Coroa de Downwind  ao longo do circuito.

CALENDÁRIO DE EVENTOS ALOHA SPIRIT CLUB

Saiba quando e onde irão rolar os eventos de water sports mais bacanas do Brasil AQUI.

MATÉRIAS RELACIONADAS

Balaço da Spot Paddle – Reportagem, resultados e tempos

Dia de testar os equipamentos

Condições fracas adiam o início da Tríplice Coroa de Downwind

Please follow and like us:

About the author

Luciano Meneghello

Luciano Meneghello

Luciano Meneghello é Editor-chefe do Aloha Spirit Club. Pioneiro na produção de conteúdo direcionado a esportes de água como SUP, va'a e paddleboard, foi fundador da Revista Fluir Standup e do site SupClub e tem artigos publicados em diversos veículos do segmento, como revista Go Outside, Alma Surf, site Waves, entre outros.


error: Entre em contato para ter essa noticia em seu site. Obrigado.