Atletas reagem ao cancelamento do Mundial de SUP em Portugal

Notícia provocou reações acaloradas e acentua a uma preocupante tendência de guerra entre entidades (e seus simpatizantes) que em nada agrega ao desenvolvimento profissional do stand up paddle
Na guerra entre ISA e ICF já temos um perdedor: o stand up paddle. Foto: Ben Reed.

 

A confirmação feita ontem (09) de que o Mundial de SUP organizado pela ICF em Portugal seria cancelado vem provocando reações acaloradas na comunidade internacional do stand up paddle. Diversos atletas, sobretudo europeus, usaram as redes sociais para se manifestar sobre o caso que pode trazer consequências muito ruins para o nosso esporte. Veja trechos de algumas declarações:

Martin Letourneur

O esporte deve permanecer nas mãos daqueles que o praticam. Uma verdadeira Associação Internacional de Stand Up Paddle deveria guiar (e controlar) a evolução do nosso esporte antes de qualquer outro interesse econômico ou político.

Paul Jackson

Não sei vocês, mas quando uma entidade como a ISA começa a agir dessa maneira, isso só me faz sentir vontade de ir para o outro lado e apoiar a ICF.

Olivia Piana

É uma loucura. A atitude da ISA é totalmente antiprofissional e que se danem os atletas! A ISA foi tão ridícula nessa história! De qualquer forma estarei em Portugal com meus pais, meu técnico (em com a ICF).

Say Chelle

Não concordo com a maneira como a ISA conduziu isso. Estou pessoalmente frustrada com esse episódio.

ISA X ICF

Creio que não vem ao caso me aprofundar nesse embate entre ISA e ICF aqui, pois o tema já vem sendo abordado em diversos artigos que publiquei aqui no site (se tem interesse, sugiro esse AQUI pra começar).

Mas vale destacar que muito tem se debatido sobre os custos exorbitantes que a ISA cobra dos atletas em seus mundiais. As localidades remotas em que os eventos são realizados, as dificuldades de logística e transporte de equipamentos em troca de uma medalha vem sendo, ano após ano, cada vez mais questionados.

Olhando pela perspectiva dos atletas, é realmente frustrante ver um campeonato com status mundial ser cancelado em cima da hora meramente por questões políticas e, quando se leva em consideração que a prova da ICF ofereceria premiações em dinheiro, provas em diferentes formatos e títulos mundiais a diversas categorias, como Master e Junior, por exemplo, o sentimento de impotência fica ainda maior.

NÃO TEM SANTO

Assim, no calor dos acontecimentos, ao que parece, a ISA, mesmo tendo ganho a batalha, sofreu danos consideráveis. No entanto, é importante salientar que a ICF usou exatamente a mesma estratégia que a ISA para frear a inclusão do stand up paddle nos próximos Jogos Olímpicos da Juventude de 2018, na Argentina.

Ou seja, não tem “santo” nessa história e a possibilidade de uma polarização de opiniões e pontos de vista sobre o papel dessas entidades vai ser muito ruim para o nosso esporte.

A ironia de tudo isso é que a ICF já esteve envolvida em situação parecida há cerca de dez anos, quando entrou em um embate jurídico pelo direito de ser reconhecida como entidade máxima para representar o Dragon Boat internacionalmente.  Como resultado, existem agora dois órgãos internacionais de Dragon Boat, cada qual organizado seu próprio campeonato mundial em diferentes anos.

Enfim, tem muita água para passar debaixo dessa ponte. O fato que não pode ser ignorado é que, excetuando-se a ambição olímpica, o SUP sempre se desenvolveu muito bem andando por suas próprias pernas através de competições internacionais independentes como a Pacific Paddle Games e Carolina Cup, por exemplo, e inúmeros circuitos como o EuroTour, Paddle Monster, APP,  WPA , WTT e The Paddle League.

Todos esses circuitos (menos o Paddle League, que surgiu agora), até o ano passado, eram realizados sem nenhuma conexão com a ISA ou ICF.

Por hora, ficamos com a esperança de que as palavras do francês Martin Letourneur sejam ouvidas e ecoadas: “O esporte deve permanecer nas mãos daqueles que o praticam”.

Spread the love

About the author

Luciano Meneghello

Luciano Meneghello

Luciano Meneghello é Editor-chefe do Aloha Spirit Club. Pioneiro na produção de conteúdo direcionado a esportes de água como SUP, va'a e paddleboard, foi fundador da Revista Fluir Standup e do site SupClub e tem artigos publicados em diversos veículos do segmento, como revista Go Outside, Alma Surf, site Waves, entre outros.


error: Entre em contato para ter essa noticia em seu site. Obrigado.