Entrevista | Sérgio Oliveira – Remo sem Fronteiras

Sergio Oliveira (ao centro) entre as crianças atendidas pelo projeto Remo sem Fronteiras. Foto: Arquivo pessoal.

Há 18 anos frente do “Remo sem Fronteiras”, que incentiva a transformação social através da prática do esporte em crianças de baixa, Sérgio Oliveira troca uma ideia com nosso editor e fala sobre a história do projeto e da campanha para a restauração da Kurumi Gamboa, uma OC6 que partiu-se em duas após uma colisão com pedras.

A quanto tempo existe o projeto Remo sem Fronteiras?

Há 18 anos, foi fundado em 2000. Durante os quatro primeiros anos, o projeto realizou as primeiras aulas no Dique do Tororó. A partir de 2010, o raio de abrangência foi ampliado para a Lagoa de Pituaçu, envolvendo alunos das comunidades próximas a região do Parque Pituaçu. Em 2013 as ações foram iniciadas também na Gamboa de Baixo, e em 2016 na comunidade da Preguiça

Qual o objetivo e como funciona o projeto?

Nosso objetivo é incentivar a transformação social através da prática do esporte oferecendo também lazer e cultura aos alunos, mantendo e coordenando diversas ações voltadas à melhoria da qualidade de vida através da arte, cultura, lazer e educação nas comunidades.

O Remo sem Fronteiras busca compartilhar as atividades com outras comunidades costeiras. Desenvolvemos atividades coletivas e itinerantes contribuindo com a redução de conflitos sociais, inclusão e desenvolvimento familiar e individual de crianças, jovens e adolescentes em situação de risco.

Em suma, nossos principais objetivos são democratizar o acesso de crianças, adolescentes e pessoas com limitações físicas ao esporte, que por sua vez é transformando em instrumento educacional, através das modalidades de canoagem e remo, contribuindo para a formação cidadã, intelectual e técnica desses.

Acreditamos no poder que esse esporte tem para a inclusão social, redução da pobreza, combate a discriminação e vulnerabilidade. Além disso, também temos como objetivo o incentivo e preparação técnica para novos atletas.

Mas como funciona o projeto?

Funciona através da prática do Remo tradicional e do Remo adaptado (para pessoas e atletas com diferentes tipos de deficiências físicas ou motoras), trabalhos com jovens, adolescentes, adultos e idosos de todos os tipos e de diferentes classes sociais, porém, focando na classe social de baixa renda ou com nenhuma renda, como por exemplo: moradores e ex-moradores de rua, pessoas pertencentes aos bairros carentes de Salvador, sem muitas perspectivas de trabalho e sem nenhuma oportunidade de desenvolvimento sócio cultural.

Dentro dos polos de treinamento da ARS (Associação Remo Salvador) são oferecidas oportunidades de convívio e de inserção social através do esporte, de forma gratuita e e com acompanhamento de ótimos profissionais da área.

Além das atividades físicas e motoras, a ARS acompanha de perto o desenvolvimento de cada aluno nas atividades esportivas, em seus relacionamentos dentro e fora da Associação como indivíduo e cidadão, aproxima-se da família ou dos responsáveis, incentiva-os a frequentarem a escola e universidade, exige boas notas, incentiva o desenvolvimento da autoestima e busca melhorar significativamente a dignidade e a qualidade de vida que cada aluno.

Desde sua criação até os dias atuais, o projeto encabeçado por Sergio já atendeu cerca de 700 crianças, jovens e adultos. Foto: Arquivo pessoal.

Você tem ideia de quantos jovens já foram atendidos até hoje?

Cerca de 700 crianças, adolescentes e pessoas com limitação física desde de 2000 até a presente data.

Vocês atendem adultos também?

Sim. Através da prática do Remo tradicional e do Remo adaptado (para pessoas e atletas com diferentes tipos de deficiências físicas ou motoras), trabalhamos com jovens, adolescentes, adultos e idosos de todos os tipos e de diferentes classes sociais, porém, focando na classe social de baixa renda ou com nenhuma renda, como por exemplo: moradores e ex-moradores de rua, pessoas pertencentes aos bairros carentes de Salvador, sem muitas perspectivas de trabalho e sem nenhuma oportunidade de desenvolvimento sócio cultural.

Kurumi Gamboa, a OC6 do grupo, foi severamente avariada após uma colisão com pedras em Morro de São Paulo, e agora o projeto lançou uma campanha para conseguir levantar fundos para repará-la. Foto Arquivo pessoal.

O que aconteceu com a OC6 de vocês?

Em dezembro passado, a Kurumi Gamboa foi levada para o município de Cairu (BA) para ser utilizada por crianças e adolescentes das lhas de Tinharé e Boipeba no período de férias escolares com o objetivo de implantar o projeto Remo Sem Fronteiras  por lá e apresentar às comunidades da região a modalidade da canoa polinésia.

No dia 30 de janeiro, porém, a canoa estava apoitada perto da terceira praia em frente ao hotel Caeira, Morro de São Paulo, onde ocorreu a chegada da II Travessia Salvador/ Morro de São Paulo.

Tinha acabado de ministrar uma aula com meninos da comunidade e às 11h deixei a canoa a 100 metros da areia como de costume para subir para almoçar e depois descer para atender a turma da tarde dos garotos.

Só que de uma hora para outra entrou um forte vento leste mudando o tempo e arrastando a canoa para as pedras, partindo-a em duas partes (proa e popa) além de partir a ama (flutuador) ao meio. Era véspera da segunda lua cheia de janeiro (Lua Azul) e a canoa só não quebrou mais porque a comunidade caiu no mar para tentar salvá-la. Quando desci só deu tempo de cair no mar e afundar a canoa para evitar danos maiores. Tive que esperar a maré secar para, juntamente com o apoio da comunidade, tirar a canoa guardá-la no hotel Caeira que deu um grande apoio.

Como é possível ajudar a reparar a canoa?

Estamos realizando a campanha para arrecadar fundos e concertar a canoa levando para o Rio de Janeiro através de um site de ajuda coletiva: www.vakinha.com.br/vaquinha/canoa-kurumi-gamboa

Divulgue seus canais de comunicação para que os interessados em ajudar a saber mais sobre as atividades do Remo sem Fronteiras possam se informar!

Nossos canais de comunicação são:

Site: www.remosemfronteiras.com.br

Insta: @remosemfronteiras

Whats app:  71 992953757

Email: [email protected]

Grande Abraço e obrigado pelo apoio!

Spread the love

About the author

Luciano Meneghello

Luciano Meneghello

Luciano Meneghello é Editor-chefe do Aloha Spirit Club. Pioneiro na produção de conteúdo direcionado a esportes de água como SUP, va'a e paddleboard, foi fundador da Revista Fluir Standup e do site SupClub e tem artigos publicados em diversos veículos do segmento, como revista Go Outside, Alma Surf, site Waves, entre outros.


error: Entre em contato para ter essa noticia em seu site. Obrigado.